12
jun
2013
3

DIETA e HORMÔNIOS: insulina, leptina e esteroides (DUDU)

Num ciclo de esteroides a dieta determina a direção que você quer seguir, e os hormônios irão potencializar e acelerar todo o processo rumo ao seu objetivo, seja ele bulk (OFF season) ou cutting (contest). Uma dieta mal feita estraga todo o processo, é como um bêbado que não sabe o caminho de casa.

Uma questão muito importante é o papel desempenhado pelos macronutrientes (carboidratos, gorduras, proteínas) em uma dieta acompanhada do uso de esteróides anabolizantes.

Sabemos que os esteróides aumentam a síntese protéica através do aumento da retenção de nitrogênio, sendo que umaquantidade de ~3g/kg de proteína é razoavelmente boa para quem faz uso de recursos ergogênicos [1]. Por outro lado, osganhos musculares fornecidos por androgênicos não correspondem a esta elevação da síntese protéica. Esteróides promovem o anabolismo para uma taxa muito maior do que eles fazem os músculos crescer. A razão para esta discrepância é que eles também estimular a degradação da proteína. Sei que muitas pessoas pensam que são anti-catabólicos, mas não é o caso. Anabolizantes estimular turnover de proteína. Isto significa que eles aumentam a síntese e degradação de proteínas. Eles são simplesmente mais eficazes em estimular a síntese de degradação, razão pela qual eles fazem nossos músculos crescerem, mas não a uma taxa ultra rápida. Olhe quanto tempo leva para deixar os músculos enormes. Se andrógenos foram estimulando a síntese protéica, enquanto a degradação permanecer inibida, músculos iriam crescer muito, muito rapidamente.
Este é o lugar onde a insulina entra. Como dissemos, na maior parte reduz a taxa de degradação protéica. Pode estimular a síntese de proteína logo após o treinamento, mas esse efeito é muito limitado no tempo. Idealmente, o uso de insulina, juntamente com esteróides nos permitirá acelerar a síntese (graças aos anabolizantes) e reduzir a degradação (graças à insulina). Esta é a melhor maneira de crescer rápido do músculo.
Infelizmente, como a insulina e anabolizantes precisam insulinase para trabalhar melhor, eles irão competir uns contra os outros para esta enzima. Para os atletas naturais, a oferta de insulinase muscular deve cerca de atender a demanda. Agora, se você adicionar anabolizantes, haverá menos insulinase de insulina. Se não tomar uma dose demasiado elevada de esteróides, o nível de insulinase ainda deve ser suficiente para permitir uma justa insulina induzida por anti-catabolismo [2].

Sendo assim, quanto menor os níveis de carboidratos em uma dieta, menores níveis de insulina e insulinase, menor a eficiência dos esteróides. Agora você pode entender porque mesmo altos níveis de andrógenos não produziram grandes resultados em uma dieta muito restrita em carboidratos.
“Em qualquer caso, você agora entender por que os esteróides funcionam melhor quando em uma dieta de alta caloria, enquanto eles perdem a sua potência durante uma dieta ou uma escassez de insulina (Darkham).”

Uma forma de contornar esse problema é usar insulina exógena, e na minha opinião a única forma de tornar uma dieta cetogênica mais eficiente que uma dieta tradicional quando se usa esteróides, embora recargas mais frequentes de carboidratos atenuem o problema. Usar insulina em baixas doses numa dieta low carb pode tornar o processo muito eficiente, mas em uma dieta cetogênica seria muito perigoso, uma vez que você poderia estar em cetose antes do final do primeiro dia, o que normalmente levaria dois ou até mesmo três dias para acontecer, inclusive era chamado de “Death Wish Dieting” por Dan Duchaine [3].

Vimos também que a insulina reduz os níveis de SHBG, e isso aumenta a potência dos andrógenos [4]. Verificou-se recentemente que não eram só os esteróides e T4 que regulavam SHBG. O aumento da insulina provoca queda do SHBG levando ao aumento da testosterona livre e da disponibilidade dos andrógenos. A regulação do SHBG pela insulina está estabecida. Não há dúvida de que há uma relação inversa entre nível de insulina e nível de SHBG. Da mesma forma há relação inversa entre SHBG e testosterona. Mas não quero especular aqui o quanto uma dieta zerando carboidratos vai influenciar nos níveis de SHBG para prejudicar a potência dos esteróides, mas o uso de drogas que reduzam SHBG (hemogenin, stanozolol, turinabol, proviron, insulina) podem prevenir quaisquer problemas, e independente de qualquer coisa aumentar a sinergia do ciclo.

Muitas pessoas hesitam em reduzir os níveis de proteína da dieta, agora vemos que carboidratos também desempenham um papel importante, mesmo em uma dieta restrita em carboidratos, e cortá-los ao extremo pode não ser a melhor opção. Acredito que o melhor caminho à seguir para se fazer uma dieta contest é começar com um nível mais elevado de carboidratos, mantendo gorduras e proteínas em um nível aproximadamente constante. Quando os carboidratos estiverem em um patamar mais baixo de ~1-2g/kg corporal, e o nível de proteína estiver razoavelmente elevado (~3-5g/kg) o caminho mais interessante seria reduzi-las até o mínimo de ~2g/kg. A última variável possível a ser modificada seria a gordura que pode ficar em ~1g/kg e de preferência não deveria ser modificada. Os defensores da dieta cetogênica argumentam que níveis elevados de gordura são importantes para o aumento da síntese hormonal, mas o caso aqui é que a produção endógena de testosterona estará inibida, e sua função estará restrita a outras funções como: fonte e reserva de energia, síntese de outras substâncias, ou para o melhor funcionamento destas, como as vitaminas lipossolúveis (A, E, D e K), lipoproteínas..

É importante lembrar que dias ou refeições de recarga de carboidratos em uma dieta low carb tendem aumentar a eficiência do processo de queima de gordura, justamente por elevarem os níveis de insulina e consequentemente insulinase, assim como também regular para cima os níveis de leptina (hormônio da obesidade que regula o metabolismo e o apetite), que tendem a diminuir em uma dieta restrita de calorias e com nível de percentual de gordura baixo [5]. Sendo assim, o dia/refeição do lixo ou da recarga de carboidratos vai acelerar o metabolismo pelo aumento dos níveis de leptina e também aumentar a eficiência dos andrógenos com o aumento dos níveis de insulina.

Como vimos, o grande problema de se fazer uma dieta com o uso de esteróides é usar o extremismo, seja usando altas doses de andrógenos, que diminuem o nível de insulinase e aumentam a taxa de degradação protéica, ou reduzir os carboidratos ao extremo logo no começo da dieta, o que também diminuiria os níveis de insulinase e consequentemente aproveitamento maior dos esteróides. Existem pessoas que cometem a soma dos dois erros (altas doses de andrógenos com dieta zero carb), e não entendem o motivo de resultados tão ruins. Também mostrei a importância dos dias/refeições de recarga em uma dieta low carb ou cetogênica. Para mim está mais que consolidado que picos altos de carboidratos numa dieta contest com o uso de esteróides irão potencializar o processo pela regulação para cima não só nos níveis de leptina, mas também de insulina/insulinase, o que vai aumentar a potência dos andrógenos.

REFERÊNCIAS:

[1] http://pt.scribd.com/doc/5769347/Guia-d … culturismo

[2] Esteróides + Insulina (Sinergia), Dharkam
viewtopic.php?f=31&t=1386

[3] http://www.steroid.com/Insulin.php

[4] CICLO poderoso reduzindo SHBG com INSULINA e ESTERÓIDES
viewtopic.php?f=31&t=1619

[5] http://pt.wikipedia.org/wiki/Leptina
http://musculacaobrasil.forumeiros.org/ … io-leptina

AUTOR: DUDU HALUCH

You may also like

Hormônios: anabolismo/catabolismo, lipogênese/lipólise (DUDU)
Simplicidade, Consistência e Adaptação (Dudu)
Ciclo dos Profissionais 3: anos 70 (era Arnold)
Importância das drogas e hormônios no bodybuilding

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.